Moon Faces









Quem somos:


Nome: Meialua
Idade: 26
Nascida a: 31.10.1978 (Halloween)
Fascina-me: O Oculto, o Mistério, a Lua, o Mar
Gosto: Da noite, do Sol, do Mar, da Praia, de conversar, de ler,de poesia,dos amigos verdadeiros, do amor, da sinceridade, da lealdade, da sensibilidade, de rir, chorar...
Detesto: Hipocrisia, mentiras, falsidade, que me tentem passar a perna, amigos interesseiros,...
Sou: Sincera, divertida, sensível, teimosa, um pouco vingativa, boa amiga, sonhadora, imprevísivel...
Um Livro: Brida
Um Filme: The Crow
Uma Cor: Azul
Uma Citação: "Se é o Sonho que nos guia, nunca seremos pobres, porque haverá sempre um pretexto, para ir mais longe..."
Localizaçao:Amadora
E-mail:luamagica@hotmail.com
Blogs Pessoais:

Visitem Fragmentos da Lua


Visitem a Bruxinha da Lua





Nome: Moon Priestess
Idade: 24
Nascida a: 17.09.1980
Fascina-me: O Mar, a Lua, o Sol, o oculto, os Golfinhos, a Mitologia Grega, o Antigo Egipto, a Idade Média e por aí fora...
Gosto: De uma amizade verdadeira, estar junto de alguém querido, passear à beira mar...
Detesto: Falsidade, Hipocrisia, Injustiça, Traição
Sou: Um pouco indefinida...alegre mas séria, introvertidamente extrovertida...
Um Livro: As Brumas de Avalon, o Pequeno Buda
Um Filme: As Brumas de Avalon, Matrix, Constantine
Uma Cor: Preto
Uma Citação: "Guarda-te uma vez dos inimigos e mil vezes dos amigos, porque um amigo poderá vir a ser teu inimigo e prejudicar-te com facilidade" Petrus Alphonsi
Localização:Faro
E-mail:golfinha80@hotmail.com
Blogs Pessoais:

Entrem nesta viagem até à Lua!


Visitem!


Visitem!


O nosso arquivo:

<< June 2017 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30



Sobre nós:
Para aqueles que acreditam em vidas passadas certamente será fácil compreender aquilo que aqui aconteceu. Fomos descobrindo, ao longo de vários meses, ideias, gostos, e muitas mais coisas em comum que nos levam a acreditar que se trata de algo mais do que simples coincidências, algo que nos ultrapassa e parece vir bem de trás, de uma outra vida quem sabe...e que fez com que nos reencontrassemos na actualidade, tornando-nos, aos poucos, boas amigas. Sendo assim, para além dos nossos blogs pessoais, poderão agora encontrar neste recanto lunar, do qual trataremos em conjunto, pedacinhos de nós...

Citação do Dia:




Som Lunar:

Lamb - Gabriel


I can fly
but I want his wings
i can shine even in the darkness
but I crave the light that he brings
revel in the songs that he sings
my angel gabriel

i can love
but I need his heart
i am strong even on my own
but from him I never want to part
he's been there since the very start
my angel gabriel
my angel gabriel

bless the day he came to be
angel's wings carried him to me
heavenly
i can fly
but I want his wings
i can shine even in the darkness
but I crave the light that he brings
revel in the songs that he sings
my angel gabriel
my angel gabriel
my angel gabriel





Calendário:




Os nosso amigos:

Leva-nos contigo:

Visitem

Clica no Selo para levares o Código


O nosso award:

Mereceu

Se quiser o nosso award é só mandar um E-mail para qualquer uma de nós e pedir o código



Estou no Blog.com.pt


Selos amigos:











Awards:

Awards

Clica na imagem para veres os Awards que já ganhámos


Concursos:







Classificações em Concursos:

















Ficámos em:



A Lua:



lunar phases
 

Rochas Lunares:




Gothic City

Contador:



If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed

Monday, November 28, 2005
William Shakespeare

E quem diz que as fadas não existem?



Agradecido,
sei o lugar onde há belo canteiro
que o ar embalsama de agradável cheiro
do tomilho selvagem,
da sincera violeta
e da graciosa primavera,
onde há latadas de fragrantes rosas
e madressilvas de excessiva doçura...

Titânia aí parte da noite dorme
sob gracioso dossel formado de pétalas,
por danças e canções acalentada.

A serpente aí deixa a pele colorida
para de vestido a uma fada servir,
fino e comprido.
Como dorme o luar suavemente neste canteiro...


Beijinhos e boa semana para todos
***


Sunday, November 20, 2005
Travessia


“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas,
que já têm a forma do nosso corpo
esquecer os nossos caminhos
que nos levam sempre aos mesmos lugares.
É tempo da travessia e se não buscarmos fazê-la,
teremos ficado para sempre à margem de nós mesmos”.


Uma boa semana para todos!
Beijos*


Posted at 04:44 pm by meialua
Brilhos Lunares (1)  

Thursday, November 10, 2005
Vozes do Mar





Quando o sol vai caindo sobre as águas
Num nervoso delíquio d’oiro intenso,
Donde vem essa voz cheia de mágoas
Com que falas à terra, ó mar imenso?...


Tu falas de festins, e cavalgadas
De cavaleiros errantes ao luar?
Falas de caravelas encantadas
Que dormem em teu seio a soluçar?


Tens cantos d'epopeias?Tens anseios
D'amarguras? Tu tens também receios,
Ó mar cheio de esperança e majestade?!


Donde vem essa voz,ó mar amigo?...
... Talvez a voz do Portugal antigo,
Chamando por Camões numa saudade!

Florbela Espanca


Beijo para todos e bom fim de semana...




Wednesday, October 26, 2005
Sonhos


Aqui vejo unicórnios, florestas verdejantes e
cascatas luxuriantes.
Aqui, sou rainha dos bosques
por onde caminho descalça
e converso com os duendes...

Nas clareiras, ao pé dos carvalhos,
danço e canto nas noites de lua cheia
cercada dos elfos e das sílfides
que saem da terra para me saudar.

Aqui é o meu reino, aqui sou majestade.
Aqui sou a dona dos rios e das cachoeiras,
habito as matas e as cavernas
e meus amigos são os seres da terra.

É aqui que me encontram quando estou sonhando
porque é aqui que a minha alma vive...

(Desconheço o Autor)

 


Posted at 08:51 pm by meialua
Brilhos Lunares (3)  

Monday, October 17, 2005
Uma lenda

Depois de aguçado o apetite para a mitologia grega pela Meia Lua, aqui vos deixo uma lenda para que continuem a sonhar neste mundo maravilhoso...


Em seu palácio no fundo do mar, Posêidon está furioso, como bem se pode imaginar. Apesar das tempestades que o deus levanta sem parar, Ulisses consegue sempre escapar, e sua frota de doze navios continua intacta.

Enquanto isso, nos navios os homens de Ulisses, exaustos, mal conseguem recuperar-se da sua luta contra o mar. Como gostariam de parar em algum lugar!... Então, vêem uma ilha que, como se fosse um barco, avança na direcção deles.

É o reino de Éolo, o deus dos ventos.

Ulisses e os seus marinheiros abordam-no. Éolo recebe-os bem e, antes da partida, oferece ao rei de Ítaca um odre que contém todos os ventos. Enquanto esse odre estiver fechado, não há o que temer das tempestades.  

Graças a essa ajuda, depois de dez dias os doze navios aproximam-se de Ítaca, ao final de um tranquilo cruzeiro.

À noite, todos vão dormir, felizes com a idéia de que muito em breve tornarão a pôr os pés no solo pátrio. No entanto, os poucos marinheiros que ficaram de vigia no barco de Ulisses querem saber qual o conteúdo daquele grande odre. Aproveitando que todos dormem, desamarram a corda que o fecha.

Na mesma hora, arma-se um furacão prodigioso, que afasta a frota bem longe de Ítaca, para a ilha dos lestrigões. Onze das embarcações atracam num pequeno porto de aparência tranquila.

Ulisses, desconfiado, prefere deixar o seu navio ao largo. E faz muito bem, pois quando anoitece os lestrigões (que são canibais imundos) atacam os barcos ancorados e devoram todas as tripulações. Depressa, Ulisses manda içar as velas e foge para bem longe.


Os ventos levam o navio para perto da ilha de Aea. Ulisses envia uma patrulha de reconhecimento. Esse pequeno grupo de marujos é logo cercado por feras de comportamento estranho. Em vez de mostrar-se ferozes, são afectuosas e pedem carinho. Ao chegar diante de um palácio magnífico, os marinheiros vêem sair uma mulher que se apresenta como Circe, a rainha da ilha, que os convida a almoçar. Entram todos, menos Euriloco, o qual resolve ficar de fora e observar o que se passa. Ele vê seus amigos transformar-se em porcos logo depois de experimentarem a comida que Circe lhes ofereceu.

Euríloco corre a avisar Ulisses. O herói resolve que libertá sozinho os companheiros. No caminho, perto de um bosque, Hermes, o mensageiro de Zeus, dá-lhe uma erva mágica, protectora contra os sortilégios da bruxa.

Quando chega ao palácio, Ulisses também é convidado por Circe. Protegido pela erva, come de tudo, sem ser afectado. Assombrada, a maga compreende que aquele homem é amado por um deus. Ela então renuncia a seus malefícios e devolve a forma humana aos homens que transformou em bichos. Melhor ainda: ajuda Ulisses a retomar a viagem. Seguindo seus conselhos, o herói desce aos infernos para consultar o adivinho Tirésias, que o adverte dos perigos que o esperam. Dessa forma, com o coração confiante, Ulisses pode reiniciar sua aventura.

O navio ruma para o país das sereias. Circe preveniu-o contra essas criaturas de corpo de pássaro (e não de peixe) e rosto de mulher, que usam seus cantos melodiosos para enfeitiçar os navegantes e fazê-los naufragar.


Ulisses quer ouvir essas vozes encantadoras e, ao mesmo tempo, preservar seu navio. Para isso, manda que os marinheiros lhe tapem os ouvidos com cera de abelha e o amarrem bem firme ao mastro. O barco então aproxima-se do país das sereias, as quais, entre os ossos das tripulações cuja morte causaram, começam a cantar.

Nada é mais delicioso que essas vozes. Amarrado, Ulisses suplica que o soltem, para poder entrar na água e juntar-se às sereias. Grita, chora, ordena, implora, ameaça. Não adianta nada. Surdos por causa da cera, os homens continuam a remar e afastam o barco desse lugar fascinante mas perigoso. Só então soltam Ulisses, que reassume o comando.

Bem a tempo!

Outro perigo mortal ameaça o navio. Dois monstros marinhos estão à espreita: Caribde e sua companheira Cila. Caribde engole enorme quantidade de água e, depois, cospe-a com tanta violência que cria um turbilhão vertiginoso. Um pouco avariado, o navio consegue escapar, mas aproxima-se demasiado de Cila. Sobre as ondas raivosas, o monstro ergue as suas seis cabeças de cadela e agarra seis marinheiros. Graças a uma hábil manobra, porém, Ulisses foge.

Chega à ilha de Hélio, onde esse deus solar deixa seus magníficos bois pastar. Exaustos, os gregos dormem na praia. Ao alvorecer, um cheiro de churrasco acorda Ulisses. Seus homens, famintos, estão assando os bois sagrados. Durante seis dias entregam-se a um banquete gigantesco, mas, para não ofender Hélio, Ulisses recusa-se a participar.

O deus fica mesmo furioso com o comportamento dos gregos e pede a Posídon que o vingue. Assim que o barco volta a navegar, uma série de ondas gigantescas destrói-o de encontro a um rochedo, afogando de uma só vez todos os tripulantes. Apenas Ulisses é salvo, agarrado a um destroço.

Recolhido pela ninfa Calipso, passa com ela muitos anos. Um dia, Zeus ordena que a ninfa liberte Ulisses. Calipso obedece e ajuda o herói a construir uma jangada. Nesse barquinho, Ulisses tenta voltar para Ítaca.

Mas a ira de Posídon não se amainou. O mar bravio engole a frágil balsa. Ulisses nada desesperadamente para escapar às ondas, que acabam por levá-lo até uma praia. Lá, algumas mulheres o encontram. Entre elas está Nausica, filha do soberano dos Feácios, a qual o conduz até o pai.

O rei ouve com atenção as múltiplas aventuras de Ulisses e empresta-lhe um navio e uma tripulação.

Depois de dez anos passados nos mares, Ulisses finalmente revê Ítaca.


Cada dia que passa me convenço mais que nasci na época errada ;)
Boa semana ***

Saturday, October 08, 2005
A Deusa do Amor

Afrodite nasceu das espumas do mar (em grego, aphros) e é uma das doze divindades gregas do Olimpo, considerada a deusa da beleza, do amor e da fertilidade. 
 
 

 Afrodite
(Aphrodite)

De acordo com uma das tradições a respeito de seu nascimento, Afrodite seria filha de Zeus e de Dione. Mas uma versão mais antiga conta que os órgãoes sexuais de Urano, cortados por Cronos, teriam caído ao mar e dado origem à deusa. E ainda numa terceira versão, ela teria nascido da espuma do mar.

Após surgir na superfície das águas marinhas, Afrodite foi levada pela força dos ventos à Citera e depois à costa do Chipre, onde as Horas a receberam, vestiram e enfeitaram, conduzindo-a depois para a morada dos imortais (Olimpo).

As lendas a respeito de Afrodite são muitas e às vezes divergentes. A deusa teria se casado com Hefesto, o deus coxo de Lemnos, embora amasse Ares, o deus da guerra. Dos seus amores adúlteros nasceram Eros (cupido) e Anteros, Deimos e Fobos (o Terror e o Medo) e a Harmonia.

Afrodite tinha um temperamento irascível, era vingativa e possuía um cinturão mágico bordado cujo nome era Cestus (do grego kestós, que significa picado, bordado). Este cinto tinha a propriedade de inspirar o amor. Uma outra variante diz que Afrodite possuía uma fita bordada de desenhos variados que ela usava cingindo o seio, onde residem todos os encantos. Ali estão a ternura, o desejo e a conversação amorosa sedutora que enganam o coração dos mais sábios.

 


Vénus, ou Vênus, é a deusa do panteão (ou panteon) romano, equivalente a Afrodite, no panteão grego. É a deusa do Amor e da Beleza.

No mito de seu nascimento conta-se que surgiu de dentro de uma concha de madrepérola, tendo sido gerada pelas espumas (afros, em grego). Em outra versão é filha de Júpiter e Dione.

Umas das divindades mais veneradas entre os antigos, sobretudo na ilha de Pafos, onde seu templo era admirável. Tinha um olhar vago e cultuava-se o zanago dos seus olhos, como ideal da beleza feminina. Possuía um carro puxado por cisnes. Vênus, como muitos outros deuses mitológicos não possui qualquer adorador, mas estão demasiadamente agregadas ao bom gosto e requinte para serem esquecidas. A Venus possui muitas formas de representaçào artistica, desde a clássica (greco-romana) até a modernas, passando pela renascentista.

A pintura representa a deusa Vênus emergindo do mar como mulher adulta, conforme descrito na mitologia grega.


Posted at 05:13 pm by meialua
Brilhos Lunares (2)  

Tuesday, October 04, 2005
Poesia

Nada melhor para começar a semana do que um belo poema de uma excelente poetisa e como é uma das preferidas da minha maninha...aqui fica, para ti em especial...


Se todo o ser ao vento abandonamos
E sem medo nem dó nos destruímos,
Se morremos em tudo o que sentimos
E podemos cantar, é porque estamos
Nus em sangue, embalando a própria dor
Em frente às madrugadas do amor.
Quando a manhã brilhar refloriremos
E a alma possuirá esse esplendor
Prometido nas formas que perdemos.


Aqui, deposta enfim a minha imagem,
Tudo o que é jogo e tudo o que é passagem.
No interior das coisas canto nua.


Aqui livre sou eu — eco da lua
E dos jardins, os gestos recebidos
E o tumulto dos gestos pressentidos
Aqui sou eu em tudo quanto amei.


Não pelo meu ser que só atravessei,
Não pelo meu rumor que só perdi,
Não pelos incertos atos que vivi,


Mas por tudo de quanto ressoei
E em cujo amor de amor me eternizei.

Sophia de Mello Andresen

***


Thursday, September 29, 2005
Miguel, Gabriel e Rafael

Vocês sabiam que o dia 29 de setembro é dedicado aos arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael?


Quem já não chamou pelo anjo da guarda?
Provavelmente, um grande número de crianças, adolescentes e adultos, independentemente de raça ou religião, já pediu proteção a essas criaturas tão encantadoras e “envolventes”.
E, se vocês não sabiam, o festivo mês de setembro também é o tempo deles: no dia 29 comemora-se a festa dos arcanjos mais famosos da história das religiões, Miguel, Gabriel e Rafael.
Tanto que o novo calendário litúrgico reservou um dia especial para os três.
Afinal, quem são estes anjos?
Que funções celestiais cada um deles tem, na hora de nos proteger aqui na Terra?

São Miguel, que significa “aquele que é como Deus”, é considerado o Príncipe Guardião e Guerreiro, padroeiro da Igreja Católica Universal e chefe dos arcanjos. Miguel é o anjo do arrependimento e da justiça. O culto a esse anjo é um dos mais antigos da história do cristianismo. No Islamismo, ele é chamado Micail.

São Gabriel, significa “Deus é minha força”. É considerado o Arcanjo da Anunciação, portador das boas novas, da morte e da revelação. Foi ele quem recebeu a ilustre tarefa de anunciar à Virgem Maria o nascimento de Jesus e à Isabel a chegada de São João Batista. Outras missões revelam a importância do Arcanjo Gabriel (Djibril, em árabe): ele anunciou a Encarnação do Filho de Deus e, segundo Maomé, foi o anjo que ditou o Alcorão, palavra por palavra.

São Rafael, cujo significado é “Deus curou”, teve a função de acompanhar o jovem Tobias, personagem central do livro Tobit, no Antigo Testamento, em sua viagem, como anjo da guarda. Guardião da saúde e da cura, é considerado também o chefe da ordem das virtudes, guardião da Árvore da Vida no Jardim do Éden e anjo da oração, do amor, da alegria e da luz.

Esses três arcanjos (anjos-chefes) representam a alta hierarquia dos anjos e são, antes de mais nada, “mensageiros de Deus, transportando os Decretos Divinos” até os humanos, segundo a Enciclopédia dos Anjos, de Evelyn D. Oliver & James R. Lewis, da Makron Books.

Por isso, esqueçam um pouco o grande tumulto do mundo ao vosso redor e prestem atenção: se vocês ouvirem um “bater de asas” ao vosso lado, pode ser um deles lhe trazendo mensagens!

 Oração dos Arcanjos

Arcanjo Miguel - Príncipe Guardião e Guerreiro
defendei-me e protegei-me com Vossa espada,
não permiti que nenhum mal me atinja.
Protegei-me contra assaltos, roubos, acidentes,
contra quaisquer ato de violência.
Livrai-me de pessoas negativas.

Espalhai Vosso manto e vosso escudo de proteção
em meu lar, meus filhos e familiares.
Guardai meu trabalho, meus negócios e meus bens.
Trazei a paz e a harmonia.

Arcanjo Rafael – Guardião da saúde e da cura
peço que Vossos raios curativos desçam sobre mim,
dando-me saúde e cura.
Guardai meus corpos físico e mental,
livrando-me de todas as doenças.
Expandi Vossa beleza curativa em meu lar,
meus filhos e familiares, no trabalho que executo,
para as pessoas com quem convivo diariamente.

Afastai a discórdia e ajuda-me a superar conflitos.
Arcanjo Rafael, transformai a minha alma e o meu ser,
para que eu possa sempre refletir a Vossa Luz.

Arcanjo Gabriel – Portador das boas novas, das mudanças,
da sabedoria e da inteligência, Arcanjo da Anunciação
trazei todos os dias mensagens boas e otimistas.
Fazei com que eu também seja um mensageiro,
proferindo somente palavras e atos de bondade e positivismo.
Concedei-me o alcance de meus objetivos.

Queridos Arcanjos Miguel, Rafael e Gabriel
Que o Círculo de Luz e Proteção que emanam de Vós me cubram,
à minha família, aos meus amigos, aos meus bens e a toda a humanidade.

Que assim seja!

Fonte: Árvore da Vida


Posted at 02:02 pm by meialua
Brilhos Lunares (2)  

Thursday, September 22, 2005
Horóscopo Nativo Americano

Olá a todos. hoje apresentaremos o signo de cada lua, como também os totens de cada lua, Espírito Guardião, Clã e direção cardeal.
Cada lua tem um totem particular, nos diversos reinos, compartilhando suas características com as pessoas que nascem durante este período. Conhecendo os vossos totens, vocês aprenderão mais sobre vocês, ao mesmo tempo em que aprendem mais sobre as vossas outras relações na Terra. Nós temos uma responsabilidade com nossos totens, dando-lhes respeito, amor e gratidão pelas lições que aprendemos e as energias que contribuem para a preservação da nossa Mãe Terra.
O quadro abaixo determina o nome de cada lua, os totens do animal, da planta e do reino mineral, o Espírito Guardião e a cor associada com cada lua, o totem animal auxiliar e o clã que cada lua pertence.
Período Lua Direção Animal Vegetal Mineral Espírito Guardião Côr Animal Auxiliar Clã
22 de Dez. - 19 de Jan. Lua da Renovação da Terra Norte Ganso da Neve Bétula Quartzo Waboose Branco Pica-Pau Tartaruga
20 de Jan. - 18 de Fev. Lua do Repouso e da Purificação Norte Lontra Álamo Prata Waboose Prata Esturjão Borboleta
19 de Fev. - 20 de Mar. Lua dos Grandes Ventos Norte Puma Tanchagem Turquesa Waboose Azul-Esverdeado Urso Pardo Sapo
21 de Mar. - 19 de Abr. Lua da Árvores em Botão Leste Falcão Vermelho Dente de Leão Opala de Fogo Wabun Amarelo Corvo Pássaro Trovão
20 de Abr. - 20 de Maio Lua da Volta dos Sapos Leste Castor Jacinto Azul Crisocola Wabun Azul Serpente Tartaruga
21 de Maio - 20 de Jun. Lua do Plantio do Milho Leste Cervo Mil Folhas Agáta Musgosa Wabun Branco e Verde Alce Borboleta
21 de Junho - 22 de Julho Lua da Luz Forte Sul Pica-Pau Roseira Silvestre Cornalina Shawnodese Rosa Ganso da Neve Sapo
23 de Julho - 22 de Ago. Lua dos Frutos Maduros Sul Esturjão Framboesa Hematita Shawnodese Vermelho Lontra Pássaro Trovão
23 de Ago. - 22 de Set. Lua da Colheita Sul Urso Pardo Violeta Ametista Shawnodese Púrpura Puma Tartaruga
23 de Set. - 23 de Out. Lua do Vôo dos Patos Oeste Corvo Verbasco Jaspe Mudjekeewis Marrom Falcão Vermelho Borboleta
24 de Out. - 21 de Nov. Lua do Tempo Frio Oeste Serpente Cardo Santo Cobre e Malaquita Mudjekeewis Laranja Castor Sapo
22 de Nov. - 21 de Dez. Lua da Neve Oeste Alce Abeto Negro Obsidiana Mudjekeewis Preto Cervo Pássaro Trovão


Para saberem mais sobre cada Lua, carreguem na tabela em cima desta, que serão redireccionados para toda a informação!
Beijos recheados de Brilho Lunar para todos!*

Posted at 03:39 pm by meialua
Brilhos Lunares (2)  

Monday, September 19, 2005
Os Centros de Poder No Corpo Humano

A Tradição Oculta afirma que o corpo humano possui vários centros do poder.

O primeiro deles é o Centro de Energia, também chamado Centro de Fogo ou Centro da Serpente (operando na região genital). Este é o centro de poder onde residem energias vitais concentradas e energias psíquicas.

É, essencialmente, um centro de transmissão ligado ao plano astral, na verdade um tipo de portal. Como todos os centros psíquicos, é influenciado pelas emanações lunares associado às quatro fases da Lua. O próprio Centro da Serpente está associado à lua nova, cuja energia é procriativa, potencial, latente. Os estimuladores estelares desse centro são encontrados nos signos astrológicos de Peixes, Carangueijo ou Escorpião. Assim, a utilização mágica do Centro da Serpente é mais profunda quando a Lua ocupa esses signos zodiacais.

O segundo centro, conhecido como Centro Pessoal, é tanto receptivo como transmissivo. A sua função é lidar com a condensação e a manifestação das energias astrais. Trata-se de um dos muitos portais através dos quais o corpo astral do indivíduo pode deixar a carne física. Grandes quantidades de energia podem ser atraídas e enviadas por essa área, que é extensivamente utilizada em práticas xamânicas. As influências estelares que auxiliam esse centro na solidificação do material astral são os signos de terra: Touro, Virgem e Capricórnio.

O terceiro centro, o Centro de Poder, também é a um tempo transmissivo e receptivo, e lida com as energias vitais. Por ele alimentamos tanto o corpo físico quanto o astral. Esse centro está ligado à lua cheia, cujo período torna-o mais poderoso. Os signos associados a ele são os signos de fogo: Carneiro, Leão e Sagitário. É o fogo mágico dos alquimistas, que transforma tanto a matéria quanto o espírito. Entre os bruxos italianos, esse agente mágico está presente na chama espiritual (Ways of the Strega).

O quarto centro é conhecido como Centro Emocional. É essencialmente receptivo, mas também transmite. O Centro Emocional lida com os sentimentos e a ética humanos. Associado ao elemento criativo da água, este centro permite-nos sentir outra pessoa num nível emocional. É mais eficientemente empregado com fins mágicos quando a Lua ocupa um dos signos de água: Peixes, Carangueijo ou Escorpião.

O quinto centro é o Centro Vibracional. É transmitivo por natureza e trata da causa de acções e reacções. O mais físico dos centros não-físicos, este centro está associado ao elemento criativo do ar. O ar é o meio que transporta as vibrações e influi na sua eficácia. Este centro é mais eficaz, em termos de magia, quando a Lua ocupa um dos signos de ar: Aquário, Gêmeos ou Balança.

O sexto centro, Centro Psíquico, é basicamente receptivo, mas também funciona de modo transmissivo. Também é chamado de Terceira Visão e Centro da Pureza. Trata-se de um centro psíquico muito activo e mais um ponto de saída para o corpo astral. Por também interpretar padrões e vibrações de energia etérea, é ainda associado aos signos zodiacais do elemento criativo do ar. Assim sendo, a utilização mais eficaz desse centro com fins mágicos ocorre quando a Lua está em um dos signos zodiacais associados ao elemento criativo do ar.

O sétimo centro é o Centro Divino. Receptivo e transmissivo, ele lida com a “Consciência das Deidades”. É nosso ponto de união com o que nos criou. É visto como externo ao corpo e, portanto, não se limita às associações atribuídas aos outros centros de poder do corpo. Ele também dá vida aos outros centros e oferece uma natureza mais elevada a cada um deles. Essa vibração superior emana de sua conexão com a luz divina. Dessa forma, a aura do corpo é um campo de energia formado pelas emanações de cada centro de poder sob influência do Centro Divino.

No nível físico, esses centros funcionam para manter o corpo e seus órgãos. O Centro de Energia rege os órgãos reprodutivos. O Centro Pessoal gera a saúde de modo geral e mais especificamente o fígado, o pâncreas e o baço. O Centro de Poder gere as glândulas supra-renais. O Centro Emocional gere o timo. O Centro Vibracional gere a glândula tireóide. O Centro Psíquico gere a glândula pineal. O Centro Divino influencia tanto a glândula pituitária quanto a pineal.

Há duas correntes de energia, as correntes do deus e da deusa, a fluir através desses centros do corpo. As correntes originam-se do Centro de Energia e se cruzam no Centro Emocional, cruzando-se novamente no Centro Psíquico. Elas influenciam directamente a nossa sexualidade e preferências sexuais através da “frequência” dos seus padrões de energia, e definem nossa natureza interior.


Nas culturas judaico-cristãs, geralmente apenas uma dessas correntes é plenamente funcional, tornando o indivíduo heterossexual ou homossexual. Quando ambas as correntes operam de modo equilibrado, elas alinham o indivíduo ao estado natural bissexual. É interessante notar que o símbolo médico do caduceu, representando a saúde perfeita, é em si mesmo um símbolo das correntes do deus e da deusa fluindo em equilíbrio por toda a coluna.

Glândulas e o Sistema Endócrino

Nos Ensinamentos Misteriosos, o sistema endócrino é um sistema glandular associado a sete grupos de glândulas; essas glândulas, por sua vez, são associadas aos sete centros de poder do corpo humano. Nesse sistema, vemos a relação entre o corpo físico e o etéreo. O sistema endócrino tem como função produzir e liberar vários hormônios na corrente sanguínea, necessários para o perfeito funcionamento do corpo, Secreções endócrinas regulam a actividade corporal, controlam o crescimento e coordenam a relação entre os impulsos nervosos e as respostas no corpo como um todo.

No nível metafísico, as glândulas servem para dissipar as emanações astrais e divinas canalizadas pelo Centro Divino a cada um dos centros de poder. A função oculta das glândulas pineais é regular as emanações recebidas de luz etérea do Centro Divino coletadas no interior de cada centro de poder. No nível metafísico, as glândulas pineais servem ainda para regular a energia que o corpo etéreo retira de cada centro (para manter sua própria forma).

A tireóide regula a sensibilidade e sensações físicas, psíquicas e etéreas. O timo e o pâncreas coordenam o fluxo e a resposta a correntes de energia associadas ao plexo solar. Esse plexo funciona como uma teia de energia sentindo o estímulo das energias sobre ele, e é regulado pelo baço. As supra-renais mantêm a relação entre os instintos básicos e os princípios espirituais mais elevados.

Quando estimulados, somos inundados por sinais para atacar ou fugir. Reagimos a isso de acordo com nossa natureza espiritual. As gônadas influenciam as relações entre nossos desejos físicos e psíquicos. A energia desse centro, portanto, afecta nossa criatividade tanto de natureza física como mental.

É interessante notar que os ocultistas associam o plexo solar à clarividência. Através desse centro, o corpo é alimentado com energia etérea do Sol, da Lua e das estrelas. Acredita-se que o corpo astral esteja conectado à carne pelo fígado.

O fígado serve para filtrar elementos da corrente sanguínea e também das energias que passam por seu equivalente etéreo. Por essa razão os antigos utilizavam o fígado nas suas adivinhações. Anormalidades no fígado reflectiam os padrões contidos na energia cósmica que flui através do corpo astral.

No ocultismo, todas as manifestações no plano físico acontecem antes no plano astral. Assim, a aparência física do fígado reflectia padrões astrais ainda não manifestos. Os etrucos, talvez mais do que qualquer outra civilização, elevaram esse tipo de adivinhação a uma arte, da qual eram mestres.


Beijos e boa semana....


Previous Page Next Page